Sorriso: Paula Saide Biagi Messen Mussi Casagrande completa 16 anos de magistratura e destaca importância da profissão

(66) 9 9982-8122


NOTÍCIAS

Sorriso: Paula Saide Biagi Messen Mussi Casagrande completa 16 anos de magistratura e destaca importância da profissão

http://www.tjmt.jus.br   

18 de Novembro de 2020 as 21:12

http://www.tjmt.jus.br

Há 16 anos, em 18 de novembro de 2004, um novo grupo de magistrados tomava posse para atuar no Poder Judiciário de Mato Grosso, trilhando um caminho recheado de desafios e sacrifícios, mas, também, permeado por ações voltadas a fazer o bem e transformar a sociedade. Nascida em Londrina (Paraná) e formada pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), Leilamar Aparecida Rodrigues iniciou o curso de Direito aos 32 anos, já casada e com dois filhos. Buscava, a princípio, uma opção profissional. No decorrer do curso, sentiu despertar em si a paixão pela magistratura.

 

Após ser aprovada no concurso em Mato Grosso, iniciou a carreira na Comarca de Lucas do Rio Verde. Em seguida, jurisdicionou em Guarantã do Norte, Barra do Bugres, Paranatinga, Cáceres e Tangará da Serra, onde atua hoje na 2ª Vara Cível. A magistrada garante dar a cada caso a máxima relevância. Por jurisdicionar por muito tempo na área da infância e juventude, se diz apaixonada pelo tema. “A proteção à criança e ao adolescente, bem como a adoção, é um trabalho que proporciona grandes emoções pelos benefícios que traz aos envolvidos e à sociedade”, salienta.

 

Para Leilamar, a magistratura ocupa grande parte da vida dela e, desde que iniciou na profissão, permeia seus passos. “É um trabalho árduo, às vezes sacrificante, mas imensamente gratificante, pois me traz a oportunidade de contribuir com sociedade. Estou certa de que encontrei na magistratura a minha verdadeira vocação, o que me torna muito feliz.” Aos pretendentes ao cargo, ela ressalta a importância da dedicação aos estudos, da disciplina e do desprendimento, pois a profissão exige dedicação exclusiva. “Mas o mais importante é se dedicar à profissão com amor.”

 

Já a juíza Paula Saide Biagi Messen Mussi Casagrande, da 1ª Vara Cível de Sorriso, se inspirou no pai – advogado há 45 anos – para cursar Direito. Oriunda da cidade de São José do Rio Preto, onde se formou pela Universidade Paulista, ela conta que desde a adolescência e durante a graduação trabalhou ao lado dele, no escritório de advocacia.

 

Paula Casagrande ingressou no Poder Judiciário de Mato Grosso bem jovem, aos 25 anos, e desde então jurisdicionou nas comarcas de Nova Monte Verde, Apiacás, Sinop, Vera, Feliz Natal, Cláudia, Colíder e há quase seis anos está em Sorriso. Desses 16 anos de magistratura, destaca seu caso mais marcante o primeiro júri em Sinop. “A vítima era um juiz e o caso de grande repercussão social. Eu tinha apenas 25 anos”, recorda-se.

 

Para a magistrada, os 16 anos de toga lhe proporcionaram uma maturidade e um aprendizado inimaginável. “Aos futuros magistrados, aconselho jamais perder o equilíbrio, trabalhar com humildade e valorizar sua família”, pontua.

 

A mato-grossense Milena Ramos de Lima e Souza Paro, natural de Rondonópolis, conta que o interesse pelo Direito surgiu em razão da paixão pela leitura e pelo anseio em contribuir com a pacificação social. Formada pela Universidade de Cuiabá, ela seguiu para o Estado de São Paulo para se dedicar aos estudos para o concurso público, até ingressar na carreira, aos 26 anos.

 

Além das comarcas de Vila Rica e Paranaíta, durante quase todo o período de magistratura ela vem atuando na Comarca de Alta Floresta, onde tomou posse como magistrada e constituiu família. Um dos momentos mais marcantes da carreira foi a implantação do programa educativo para usuários e dependentes de drogas (PEUDD), em Alta Floresta, em 2016. “Desde então atendemos mais de 150 usuários de substâncias entorpecentes, viabilizando o Poder Judiciário atuar diretamente no enfrentamento da problemática do crescente uso de drogas ilícitas”, assinala.

 

Milena Paro destaca ainda a importância da função exercida há 16 anos. “Apesar do rigor do cargo, exercer a função de magistrada tem me ensinado a ter uma atuação sensível com relação aos conflitos sociais, me traz diariamente imensa satisfação por oportunizar ser agente transformadora na vida dos jurisdicionais e da sociedade em geral.”

 

Aos que pretendem seguir a carreira, ela orienta: “o conhecimento técnico das leis é essencial, entretanto, o espírito de servir ao público com dedicação e comprometimento deve realçar no perfil do pretenso juiz.”

 

Também integram a turma de 2004 os juízes Francisco Ney Gaíva, Douglas Bernardes Romão, Fernando da Fonsêca Melo, José Mauro Nagib Jorge, Lidiane de Almeida Anastácio Pampado, Marco Antonio Canavarros dos Santos e Murilo Moura Mesquita.

 



© 2019 - JK Notícias - Todos os Direitos Reservados