Sorriso: Hospital Regional vai receber sacos, comprados pelo estado, para enterrar vítimas da covid-19

(66) 9 9982-8122


NOTÍCIAS / Policia

Sorriso: Hospital Regional vai receber sacos, comprados pelo estado, para enterrar vítimas da covid-19

O LIVRE   

20 de Maio de 2020 as 13:08

Internet

O governo de Mato Grosso comprou 10,9 mil sacos impermeáveis, à prova de vazamento e com selagem para embalar vítimas de doenças contagiosas, entre elas a covid-19.

Ao todo, foram três lotes que, somados, chegaram ao valor de R$ 163.490. O produto não é apenas para os óbitos suspeitos ou confirmados de coronavírus, porém no ano passado, antes da pandemia, não houve a aquisição de sequer uma unidade.

Conforme a Secretaria de Estado de Saúde, os carregamentos serão distribuídos entre os oito hospitais gerenciados pelo governo – os regionais de Alta Floresta, Colíder, Sinop, Sorriso, Rondonópolis, Cáceres, o Metropolitano de Várzea Grande e a Santa Casa da Misericórdia de Cuiabá – além do Serviço de Verificação de Óbito.

Vale lembrar que, atualmente, dados oficiais da própria Secretaria mostram que, desde o começo da pandemia até esta terça-feira (19), apenas 32 pessoas morreram por conta do novo coronavírus.

Por conta da estatística, Mato Grosso é o segundo no ranking de menor índice de vítimas fatais, atrás apenas de Mato Grosso do Sul, que teve 16 registros.

São Paulo tem a maior incidência de mortes com 4.823 casos, o que representa 28% dos óbitos em território brasileiro (16,8 mil).

Protocolo funerário

Em 23 de março, o governo do Estado emitiu uma norma técnica sobre os procedimentos a serem tomados em caso de morte por covid. Por se tratar de uma doença altamente contagiosa, o passo a passo prevê o isolamento do paciente desde a suspeita.

Após a morte, apenas os profissionais essenciais para a preparação do corpo devem entrar no recinto. Todos os paramentados com gorro, óculos, máscaras, luvas e aventais devem ser aplicados à situação.

Também é exigido um cuidado com os materiais que foram usados pelo paciente, que já sai do local no saco, que deve ter características impermeáveis, ser à prova de vazamento e lacrado.

Por conta do risco de contaminação, o protocolo recomenda a autópsia apenas em caso extremamente necessários.

 



© 2019 - JK Notícias - Todos os Direitos Reservados