Plantão
Justiça

DEM aguarda pedido para decidir se cede legenda para Savi disputar reeleição preso

Publicado dia 30/07/2018 às 15h49min | Atualizado dia 31/07/2018 às 09h55min
Preso desde 9 de maio, Savi teve diversos pedidos de liberdade negados pela Justiça.

Na próxima semana, a Executiva Estadual do DEM precisará decidir se cede ou não a legenda para o deputado estadual Mauro Savi disputar a reeleição. Ocorre que o correligionário cumpre prisão preventiva desde 9 de maio, no âmbito da segunda fase da Operação Bereré, que apura desvio de aproximadamente R$ 30 milhões dos cofres do Detran, sob a suspeita de liderar o esquema criminoso.

O presidente do DEM de Mato Grosso, deputado federal Fabio Garcia, tem evitado comentar o assunto. Através da assessoria, declarou que o partido não recebeu nenhuma solicitação oficial sobre a possível candidatura de Savi à reeleição e prometeu deliberar junto à Executiva Estadual caso o pedido aconteça.

 

Em 21 de maio, Fabio se manifestou sobre a prisão do democrata. Declarou que Savi tem direito a ampla defesa, presunção da inocência e pode ser absolvido ao final do processo judicial. “Existe uma denúncia. Então, o Mauro Savi responderá na Justiça por essa acusação. É o início de um processo. A condenação vem depois como conseqüência do processo, se de fato for comprovada a culpa, mas primeiro vêm o direito à defesa e presunção de inocência, como para qualquer cidadão”, lembrou.

 

Sobre o posicionamento partidário, Fabio diz que o DEM não tem nada a dizer sobre a prisão de Savi. Sustenta que o caso deve ser tratado exclusivamente pelo Poder Judiciário.

 

A convenção estadual do DEM está marcada para 4 de agosto. Além de deliberar sobre as chapas proporcionais, o que pode incluir Savi, a sigla pretende referendar as candidaturas de Mauro Mendes ao Governo do Estado e de Jayme Campos a senador.

 

Nos bastidores, os filiados do DEM afirmam que a sigla deve ceder legenda para Savi concorrer caso seja solicitado. Argumentam que o parlamentar ainda não foi condenado, está elegível e não pode sofrer pré-julgamento do partido.

 

Os democratas estão de olho no potencial eleitoral de Savi, deputado estadual mais votado em 2014, com 55.233 votos que lhe garantiram o quarto mandato na Assembleia. Acreditam que a votação do correligionário pode impulsionar os eventuais companheiros de chapa a garantir vagas no Legislativo.

 

Embora não tenha apresentado nenhum pedido de legenda ao DEM para buscar a reeleição, http://www.rdnews.com.br/images/logo-thumb.png apurou que Savi tem tratado do assunto com seu advogado Paulo Fabrinny e familiares. A decisão sobre o assunto deve ser tomada no início da próxima semana.

 

Algumas pessoas ligadas a Savi avaliam que a manutenção do mandato parlamentar pode contribuir para a saída do Centro de Custódia da Capital (CCC) o mais rápido possível. No entanto, alguns preferem que ele saia dos holofotes da política para tratar da defesa somente na esfera judicial.

 

Paulo Fabrinny nega qualquer tratativa sobre o assunto e diz que o caso cabe aos advogados de Savi na área eleitoral. Já a assessoria do parlamentar se recusa a informar o responsável.

Prisão

Preso desde 9 de maio, Savi teve diversos pedidos de liberdade negados pela Justiça. A própria Assembleia, com base na Constituição Estadual, votou resolução pela soltura, mas o documento não foi acatado pelo desembargador José Zuquim, relator da Operação Bereré no Tribunal de Justiça (TJ). Até o momento, o gabinete de Savi segue em pleno funcionamento e nenhum suplente foi convocado para substituí-lo.

 

Fonte: RD NEWS