Wanderley Paulo tem cassação anulada pelo TRE após ser acusado de usar analfabeta como "candidata-laranja"
Fonte: Folha MAX
20 de Outubro de 2021 as 12:52
Wanderley Paulo tem cassação anulada pelo TRE após ser acusado de usar analfabeta como
Rede Social

“Um tiro de canhão sobre uma formiga”. Assim a juíza Clara Mota Pimenta, integrante do pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT), classificou uma sentença de 1ª instância que havia cassado o mandato do vereador por Sorriso (420 km de Cuiabá), Wanderley Paulo da Silva (PP), e o declarado inelegível em decorrência de suposta fraude no preenchimento de cotas de gêneros. A expressão usada pela magistrada se deve ao fato de o caso envolver uma mulher humilde, analfabeta que atua como catadora de recicláveis e chegou a ser lançada como candidata a vereadora, mas desistiu logo em seguida.

Sob entendimento de que a punição foi desproporcional, a Corte Eleitoral firmou decisão unânime para reformar a sentença e garantir a continuidade do mandato do vereador que é também o presidente do Diretório Municipal do PP em Sorriso. Os magistrados acolheram o recurso interposto por Wanderley, pelo partido e demais membros do Diretório Municipal da legenda, e derrubaram a eficácia da sentença assinada em janeiro deste ano pela juíza Paula Saide Biagi Messen Mussi Casagrande, da 43ª Zonal Eleitoral.

O relator do recurso eleitoral foi o juiz-membro Armando Biancardini Candia. Em seu voto, ele também ponderou a  mulher tida como “pivô” de toda a situação que motivou o Ministério Público Eleitoral a ajuizar a Ação de Investigação Judicial Eleitoral por Abuso de Poder é humilde, catadora de recicláveis e analfabeta. Sustentou que o analfabetismo, de fato é uma questão que configura inelegibilidade, mas nesse caso é preciso haver a impugnação da candidatura dentro do prazo.

Ocorre, que no entendimento do relator e dos demais magistrados, o Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários (Drap) sequer chegou a ser validado, pois a mulher desistiu de ser candidata dias depois e foi substituída dentro do prazo. “Conheço e dou provimento ao recurso eleitoral interposto pelo Partido Progressista de Sorriso para reformar a sentença e julgar improcedente e afastar a sanção de cassação do diploma e inelegibilidade de Wanderley Paulo da Silva”, votou o relator.

Nessa linha, também votaram os demais participantes da sessão do Pleno do TRE desta terça-feira (19). “Analfabetismo é condição de inelegibilidade e deve ser impugnado na ocasião do registro de candidatura, o que não ocorreu. Ela desistiu antes do Drap. Não há segurança pra se falar em conduta pendente a convencê-la de forma ilícita a se candidatar”, disse o Bruno D’Oliveira Marques.

O juiz Jackson Francisco Coleta Coutinho concordou com os colegas julgadores. “Não houve comprovação de que ela foi convencida a ser candidata para burlar a legislação eleitoral. Ela relata que foi convidada a ser candidata, mas depois desistiu”, ponderou o magistrado.

Por sua vez, a juíza Clara Mota Pimenta ponderou tratar-se de um caso complexo, mas afirmou que as peculiaridades do processo a fez reanalisar algumas questões, o que a levou a acompanhar e elogiar o voto do relator. “Há duvidas de penumbras se ela foi artificialmente convencida a ser candidata ou se foi artificialmente convencida a desistir, pois ela tem uma hipossuficiência, é analfabeta. O nível da sanção da foi um tiro de canhão numa formiga”, ponderou a magistrada.

Segundo ela, a sentença juíza da 43ª Zona eleitoral trouxe a penalidade mais dura numa situação de mínima lesividade. Por fim, enfatizou que a candidata desistiu e não participou do pleito de modo que o Drap não chegou ser formalizado.

No julgamento o advogado Flávio Caldeira Barra fez a sustentação oral em defesa do vereador cassado, pedindo que a sentença de primeira instância fosse reformada para garantir a continuidade do mandato do parlamentar. Por fim, suas ponderações foram acolhidas por todos os membros da Corte Eleitoral.

Já o Ministério Público Eleitoral, representado pelo procurador regional eleitoral, Erich Raphael Masson, manteve parecer pela cassação do vereador e não acolhimento do recurso . Ponderou que Maria de Fatima Franças Cabezas, conhecida como “Maria Pipoca”, teria sido utilizada para simular uma candidatura e entrado no Drap apenas para preencher a cota de gênero relativa aos 30% de candidaturas femininas.

Ressaltou que a mulher é analfabeta e declarou isso na fase de instrução perante a juíza. Isso, segundo o representante do MP Eleitora, “maculou” todo o Drap do partido e dos candidatos a vereador pelo PP nas eleições de 2020 no município de Sorriso. “A Procuradoria entende que o Drap é invalido desde o início e isso interfere em todos os candidatos levando ao indeferimento de todas as candidaturas”, se manifestou ele defendendo o não provimento do recurso. Contudo, o parecer foi desconsiderado pelos magistrados. Também participaram do julgamento os desembargadores  Nilza Maria Pôssas de Carvalho e Carlos Alberto Alves da Rocha (presidente do TER) e o juiz Gilberto Lopes Bussiki.

O CASO

A ação foi proposta pelo Ministério Público Eleitoral e julgada procedente em 22 de janeiro deste ano pela juíza da 43ª Zonal Eleitoral, Paula Casagrande. À ocasião, a magistrada cassou o diploma obtido pelo Partido Progressista (PP), declarando nulos todos os votos atribuídos ao partido. O presidente da sigla e vereador eleito, Wanderley Paulo da Silva, foi declarado inelegível. Na sentença, a magistrada também determinou que o mandato conquistado pelo PP fosse distribuído aos demais partidos que alcançaram o quociente partidário.

A ação foi ajuizada após o Ministério Público Eleitoral verificar a ocorrência de supostas fraudes em relação à quota de gênero. Consta na inicial que o Partido Progressista registrou a candidatura de Maria de Fátima França Cabezas, conhecida como “Maria Pipoca”, apenas para cumprir a exigência de pelo menos 30% de mulheres na formação da sua lista de candidatos ao Legislativo.

Segundo o MPE, no decorrer da investigação ficou comprovado que a “candidata laranja” era analfabeta e foi usada com a promessa de que, caso fosse eleita, ganharia o suficiente para reformar a casa dela. A candidata, segundo o MP Eleitoral, recebeu aulas para aprender a fazer uma carta de próprio punho solicitando o registro. Contudo, não conseguiu redigir a carta por ser analfabeta de modo que o documento foi assinado por uma filha dela, que é especial que e frequenta a APE no município de Sorriso.

INSCREVA-SE NO YOUTEBE DO JKNOTICIAS.COM

https://www.youtube.com/channel/UCzooRbRiJPcHuTcCwgUvxhw

SIGA O JKNOTICIAS NO INSTAGRAM

https://www.instagram.com/jknoticias/

 

LINKS JKNOTICIAS.COM. SE COLOCAR QUALQUER TIPO DE PROPAGANDA OU POSTAGEM OFENSIVA VAI SER DELETADO

GRUPO 01: https://chat.whatsapp.com/DPQxc8lk8HJ58lSHyQDr2p

GRUPO 02: https://chat.whatsapp.com/BkN2gofWmNq8oMz43YLoSt

GRUPO 03: https://chat.whatsapp.com/IpfCXqKWurREtRxYFANynH

GRUPO 04: https://chat.whatsapp.com/KCaLXc9lhVEGb60dIWjQsL

GRUPO 05: https://chat.whatsapp.com/BCLZXZIBtWm1RNpNq0fnwE

GRUPO 06: https://chat.whatsapp.com/GTU2Sxw53Jf4Ciedc0Cfvp

GRUPO 07: https://chat.whatsapp.com/HIVOcAd28hzL1xPKlUZFWP

GRUPO 08: https://chat.whatsapp.com/KVbwvXNqrvULo5rlOwD52S

GRUPO 09: https://chat.whatsapp.com/DE5YcZo1hXzA53AuuTOdHc

GRUPO 10: https://chat.whatsapp.com/EjXCAeiya2SFAr61lY0Xq3

GRUPO 11: https://chat.whatsapp.com/C8xQY3AZYpLE7RUm0UG6fw

GRUPO 12:  https://chat.whatsapp.com/IQ8gfnygQYuHaJFTgphnlT

GRUPO 13: https://chat.whatsapp.com/IBpsa7uJiru0vT2QQZE8G3

GRUPO 14: https://chat.whatsapp.com/GtAZEddZdFPCocxQga37uO

GRUPO 15: https://chat.whatsapp.com/HvbE7GBxcBtDSTcX1EzcO1


GRUPO 16: https://chat.whatsapp.com/Fp8fi0RenguJT738yXiDmj

GRUPO 17: https://chat.whatsapp.com/KWAPK3ZbeOZK1rRzGPgLSj

GRUPO 18:https://chat.whatsapp.com/EkRxE8pV5VnKgWH720YZ6N

GRUPO 19: https://chat.whatsapp.com/LHbmP7uhbRE8wDFi47XmKw

GRUPO 20: https://chat.whatsapp.com/HVtAdr52A7SG7W6mYOIXT5