• RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • DestaqueGeralPolítica

    Pequisa diz que todos os moradores de Sorriso tem um banheiro ou, pelo menos, uma privada em casa

    O Censo 2022 apontou que Mato Grosso tinha 28 mil pessoas vivendo sem banheiro ou sequer um sanitário. Em contrapartida, 91 mil mato-grossenses vivem em casas com quatro banheiros ou mais. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na sexta-feira (22/02).

    𝐀𝐧𝐭𝐞𝐬 𝐝𝐞 𝐝𝐞𝐢𝐱𝐚𝐫 𝐬𝐮𝐚 𝐎𝐏𝐈𝐍𝐈𝐀̃𝐎 𝐨𝐮 𝐂𝐑𝐈́𝐓𝐈𝐂𝐀, 𝐟𝐚𝐜̧𝐚 𝐬𝐞𝐮 𝐏𝐈𝐗, 𝐜𝐨𝐦 𝐨 𝐯𝐚𝐥𝐨𝐫 𝐪𝐮𝐞 𝐩𝐮𝐝𝐞𝐫, 𝐞 𝐚𝐩𝐨𝐢𝐞 𝐨 𝐉𝐊𝐍𝐎𝐓𝐈𝐂𝐈𝐀𝐒.𝐂𝐎𝐌 𝐚 𝐜𝐨𝐧𝐭𝐢𝐧𝐮𝐚𝐫 𝐭𝐞 𝐝𝐞𝐢𝐱𝐚𝐧𝐝𝐨 𝐢𝐧𝐟𝐨𝐫𝐦𝐚𝐝𝐨. 𝐅𝐚𝐜̧𝐚 𝐮𝐦𝐚 𝐃𝐨𝐚𝐜̧𝐚̃𝐨 𝐩𝐞𝐥𝐚 𝐂𝐇𝐀𝐕𝐄 𝐏𝐈𝐗: 𝟐𝟖.𝟏𝟓𝟏.𝟐𝟗𝟕/𝟎𝟎𝟎𝟏-𝟎𝟓 𝐑𝐀𝐙𝐀̃𝐎 𝐒𝐎𝐂𝐈𝐀𝐋: 𝐌𝐈𝐃𝐀𝐒 𝐏𝐔𝐁𝐋𝐈𝐂𝐈𝐃𝐀𝐃𝐄 𝐄 𝐌𝐀𝐑𝐊𝐄𝐓𝐈𝐍𝐆

    Os números representam 0,8% e 2,51% da população mato-grossense de 3,6 milhões de habitantes. Os 98,5% que têm algum banheiro estão divididos assim:

    • 1 banheiro: 60,2%
    • 2 banheiros: 28,4%
    • 3 banheiros: 7,3%
    • 4 banheiros: 2,51%

    Campinápolis, a 565 km de Cuiabá, é a cidade do estado que tem mais moradores sem banheiro em casa. São 7.045 pessoas que não têm um cômodo com vaso sanitário. Na sequência, estão Barra do Garças, com 3.757 moradores, e Brasnorte, com 1.202 pessoas vivendo nessas condições.

    Em Cuiabá, entre os 646 mil moradores com domicílios permanentes ocupados, apenas 136 pessoas não têm um cômodo com vaso sanitário.

    Já em Sorriso a pesquisa apontou quetodos os moradores tem um banheiro ou, pelo menos, um sanitário.

    Mato Grosso teve um avanço de 1,1% se comparado com o Censo de 2010. De acordo com a pesquisa, houve um avanço em todas as regiões. As maiores melhorias ocorreram nas regiões Norte e Nordeste, mas ambas ainda estavam, em 2022, em patamares inferiores ao que Sul, Sudeste e Centro-Oeste tinham em 2010.

    Confira abaixo estava a situação de algumas cidades em Mato Grosso:

    Cuiabá – 646.568 moradores com domicílios permanentes ocupados:

    • 99.6% moradores com banheiro
    • 136 não tinham banheiro ou sequer um sanitário

    Várzea Grande – 298.978 moradores com domicílios permanentes ocupados:

    • 99.6% moradores com banheiro
    • 105 não tinham banheiro ou sequer um sanitário
    • 99.7% moradores com banheiro
    • 394 não tinham banheiro ou sequer um sanitário

    Chapada dos Guimarães – 18.911 moradores com domicílios permanentes ocupados:

    • 99.1% moradores com banheiro
    • 33 não tinham banheiro ou sequer um sanitário

    Cáceres– 89.228 moradores com domicílios permanentes ocupados:

    • 99.6% moradores com banheiro
    • 26 não tinham banheiro ou sequer um sanitário

    Sinop – 195.459 moradores com domicílios permanentes ocupados:

    • 99.8% moradores com banheiro
    • 8 não tinham banheiro ou sequer um sanitário

    Sorriso – 110.143 moradores com domicílios permanentes ocupados:

    • 99.9% moradores com banheiro
    • Todos os moradores tem um banheiro ou, pelo menos, um sanitário

    🚽 Rede de esgoto

    De acordo com o IBGE, a soma de pessoas indígenas que não possuem uma rede de esgoto adequado em Mato Grosso é de 27,2 mil.

    • Pardos são 0,05%% dos sem esgoto adequado
    • Brancos são 0,02% dos sem esgoto adequado
    • Amarelos são 0% dos sem esgoto adequado
    • Pretos são 0,07% dos sem esgoto adequado
    • Indígenas são 48,1% dos sem esgoto adequado

    🚯Coleta de lixo

    Em 2010, havia 17 municípios cuja coleta de lixo domiciliar – realizada por serviço de empresa ou por caçamba- era inferior a 50%.

    Em 2022, o Censo registrou apenas 6 municípios nos quais havia menos de 50% de coleta de lixo nos domicílios: Novo Mundo (49,8%), Nossa Senhora do Livramento (48,3%),Vila Bela da Santíssima Trindade (47,4%), Barão de Melgaço (46,8%), Santa Terezinha (46,4%) e Rondolândia com (38,8%).

    Outros dados do Censo 2022

    As informações do Censo 2022 começaram a ser divulgadas em junho de 2023. Desde então, foi possível saber que:

    • O Brasil tem 203 milhões de habitantes, número menor do que era estimado pelas projeções iniciais;
    • O país segue se tornando cada vez mais feminino e mais velho. A idade mediana do brasileiro passou de 29 anos (em 2010) para 35 anos (em 2022). Isso significa que metade da população tem até 35 anos, e a outra metade é mais velha que isso. Há cerca de 104,5 milhões de mulheres, 51,5% do total de brasileiros;
    • 1,3 milhão de pessoas se identificam como quilombolas (0,65% do total) – foi a primeira vez na História em que o Censo incluiu em seus questionários perguntas para identificar esse grupo;
    • O número de indígenas cresceu 89%, para 1,7 milhão, em relação ao Censo de 2010. Isso pode ser explicado pela mudança no mapeamento e na metodologia da pesquisa para os povos indígenas, que permitiu identificar mais pessoas;
    • Pela primeira vez, os brasileiros se declararam mais pardos que brancos, e a população preta cresceu.
    • Também pela primeira vez, o instituto mapeou todas as coordenadas geográficas e os tipos de edificações que compõem os 111 milhões de endereços do país, e constatou que o Brasil tem mais templos religiosos do que hospitais e escolas juntos.
    • Após 50 anos, o termo favela voltou a ser usado no Censo.

    G1MT

    Faça sua denúncia, envie através de nosso WhatsApp, Fotos, Vídeos. Seus dados pessoais estarão protegidos, nos termos da Lei 13.460/2017. +55 66 99982-8122.

    Postagens Relacionadas

  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO