• RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • Polícia

    MT: Aluno autista é denunciado por professora após agredi-la com chutes e apertar seus seios durante aula

    Uma professora, que preferiu não se identificar, registrou um boletim de ocorrência, nesta segunda-feira (13) após levar chutes, socos e ter o seio apalpado por um aluno de 9 anos, considerado autista. O caso teria acontecido em uma escola de Cuiabá, durante o desenvolvimento de uma atividade, na última sexta-feira (10).

    𝐀𝐧𝐭𝐞𝐬 𝐝𝐞 𝐝𝐞𝐢𝐱𝐚𝐫 𝐬𝐮𝐚 𝐎𝐏𝐈𝐍𝐈𝐀̃𝐎 𝐨𝐮 𝐂𝐑𝐈́𝐓𝐈𝐂𝐀, 𝐟𝐚𝐜̧𝐚 𝐬𝐞𝐮 𝐏𝐈𝐗, 𝐜𝐨𝐦 𝐨 𝐯𝐚𝐥𝐨𝐫 𝐪𝐮𝐞 𝐩𝐮𝐝𝐞𝐫, 𝐞 𝐚𝐩𝐨𝐢𝐞 𝐨 𝐉𝐊𝐍𝐎𝐓𝐈𝐂𝐈𝐀𝐒.𝐂𝐎𝐌 𝐚 𝐜𝐨𝐧𝐭𝐢𝐧𝐮𝐚𝐫 𝐭𝐞 𝐝𝐞𝐢𝐱𝐚𝐧𝐝𝐨 𝐢𝐧𝐟𝐨𝐫𝐦𝐚𝐝𝐨. 𝐅𝐚𝐜̧𝐚 𝐮𝐦𝐚 𝐃𝐨𝐚𝐜̧𝐚̃𝐨 𝐩𝐞𝐥𝐚 𝐂𝐇𝐀𝐕𝐄 𝐏𝐈𝐗: 𝟐𝟖.𝟏𝟓𝟏.𝟐𝟗𝟕/𝟎𝟎𝟎𝟏-𝟎𝟓 𝐑𝐀𝐙𝐀̃𝐎 𝐒𝐎𝐂𝐈𝐀𝐋: 𝐌𝐈𝐃𝐀𝐒 𝐏𝐔𝐁𝐋𝐈𝐂𝐈𝐃𝐀𝐃𝐄 𝐄 𝐌𝐀𝐑𝐊𝐄𝐓𝐈𝐍𝐆

    Conforme relato da docente, ela estaria auxiliando o aluno em uma atividade de pintura, quando ele passou a ficar agressivo por não ter gostado da cor ela pintou o desenho. A criança passou a gritar muito e a desferir socos contra a professora, que afirma ter encoberto o rosto para se defender e evitar que seu óculos fosse quebrado.

    Rapidamente, um homem que atua como Cuidador de Aluno Especial (CAD) tentou ajudá-la e também foi alvo de chutes e socos, mas conseguiu conter a criança. Momentos depois, o menino teria conseguido se desvencilhar e partiu para cima da professora novamente. Ele teria agarrado a blusa dela e apertado os seios da mulher. Quando ela tentou tirar a mão dele, levou mais dois murros no braço.

    Diante da situação, professora e o cuidador teriam ido buscar respostas quanto à conduta da criança na coordenação da unidade escolar. A coordenadora teria dito que “infelizmente não teria muito o que fazer porque o menor é amparado por lei”, e que em outra situação já havia chamado a mãe do menino até a escola, mas a mulher não teria comparecido.

    Ainda conforme o relado da professora no boletim de ocorrência, ela não teve acesso a um laudo que comprove que, de fato, a criança é autista, e se faz acompanhamento médico ou se usa alguma medicação. A professora contou ainda que outros funcionários da escola já foram agredidos pelo menor.

    Após as agressões, ela conta que precisou fazer um exame de raio-x no Hospital Ortopédico em Cuiabá, onde precisou tomar medicação venosa e orientada a fazer uso de medicação via oral por 7 dias, devido ao inchaço em um dos braços. Ela deve retornar ao hospital na terça-feira (14), para receber o resultado dos exames.

    Ao comunicar a coordenadora sobre a hospitalização via mensagem de WhatsApp, teria recebido a seguinte mensagem “Infelizmente, nessa situação, não há muito o que fazer”.

    Folha Max

    Faça sua denúncia, envie através de nosso WhatsApp, Fotos, Vídeos. Seus dados pessoais estarão protegidos, nos termos da Lei 13.460/2017. +55 66 99982-8122.

    Postagens Relacionadas

  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO