• RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • RAMALANTOTO
  • DestaqueJustiçaPolítica

    Sorriso: Câmara Municipal pede cópia de investigação contra prefeito por suposta “rachadinha”

    Câmara Municipal de Sorriso solicitou ao Ministério Público de Mato Grosso (MPE), uma cópia do inquérito sigiloso que investigou o prefeito da cidade, Ari Genésio Lafin (PSDB), por suposta prática de “rachadinha” com servidores do Executivo. O gestor firmou um acordo de R$ 200 mil com o órgão ministerial para que a ação não prosseguisse.

    𝐀𝐧𝐭𝐞𝐬 𝐝𝐞 𝐝𝐞𝐢𝐱𝐚𝐫 𝐬𝐮𝐚 𝐎𝐏𝐈𝐍𝐈𝐀̃𝐎 𝐨𝐮 𝐂𝐑𝐈́𝐓𝐈𝐂𝐀, 𝐟𝐚𝐜̧𝐚 𝐬𝐞𝐮 𝐏𝐈𝐗, 𝐜𝐨𝐦 𝐨 𝐯𝐚𝐥𝐨𝐫 𝐪𝐮𝐞 𝐩𝐮𝐝𝐞𝐫, 𝐞 𝐚𝐩𝐨𝐢𝐞 𝐨 𝐉𝐊𝐍𝐎𝐓𝐈𝐂𝐈𝐀𝐒.𝐂𝐎𝐌 𝐚 𝐜𝐨𝐧𝐭𝐢𝐧𝐮𝐚𝐫 𝐭𝐞 𝐝𝐞𝐢𝐱𝐚𝐧𝐝𝐨 𝐢𝐧𝐟𝐨𝐫𝐦𝐚𝐝𝐨. 𝐅𝐚𝐜̧𝐚 𝐮𝐦𝐚 𝐃𝐨𝐚𝐜̧𝐚̃𝐨 𝐩𝐞𝐥𝐚 𝐂𝐇𝐀𝐕𝐄 𝐏𝐈𝐗: 𝟐𝟖.𝟏𝟓𝟏.𝟐𝟗𝟕/𝟎𝟎𝟎𝟏-𝟎𝟓 𝐑𝐀𝐙𝐀̃𝐎 𝐒𝐎𝐂𝐈𝐀𝐋: 𝐌𝐈𝐃𝐀𝐒 𝐏𝐔𝐁𝐋𝐈𝐂𝐈𝐃𝐀𝐃𝐄 𝐄 𝐌𝐀𝐑𝐊𝐄𝐓𝐈𝐍𝐆

    Na sessão desta segunda-feira (06.05), o presidente da Casa de Leis, Iago Mella (Podemos), afirmou que a Casa de Leis aguarda a chegada dos documentos para tomar as providências. “Foi solicitado à cópia integral de todo o processo que tramita acerca disso, bem também como esse Acordo de Não Persecução Penal (ANPP), que chegará muito em breve à Câmara. Isso para que a gente tenha total conhecimento do que estamos tratando. Aí assim vamos poder tomar as providências cabíveis”, disse.

    De acordo com denúncia entregue ao Ministério Público, além do prefeito, a assessora adjunta Julia Catiele Nólio, o secretário adjunto de Obras e Serviços Públicos, Nelson Campos, e o ex-secretário de Administração, Estevan Calvo Hungaro, também estavam envolvidos no esquema.

    Uma denúncia anônima revelou que o esquema liderado por Ari Lafin iniciou em 2017 e desencadeou, na Operação Torrent, deflagrada pela Polícia Civil, em 2021. Pelo esquema, servidores comissionados eram cobrados a pagar uma espécie de “pedágio político”, entre R$ 100 e R$ 500 todos os meses, devolvendo assim parte de seus salários ao prefeito e seus subordinados.

    Contudo, o gestor firmou um Acordo de Não Persecução Penal (ANPP) e aceitou pagar uma multa de R$ 200 mil para “escapar” do processo. Os parlamentares classificam o acordo como uma “confissão do crime” e exigem que o prefeito preste explicações ao Legislativo e à população. 

    “Quero fazer um convite ao prefeito Ari para que ele venha à Câmara dar explicações sobre esses fatos ocorridos onde a população tem nos cobrado. Eu acho pertinente essa casa trazer o prefeito para explicar isso”, disse o vereador Mauricio Gomes (PSD).

    Gazeta Digital

    Faça sua denúncia, envie através de nosso WhatsApp, Fotos, Vídeos. Seus dados pessoais estarão protegidos, nos termos da Lei 13.460/2017. +55 66 99982-8122.

    Postagens Relacionadas

  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO
  • PADANGTOTO