CuriosidadesDestaqueGeralSaúde

Menina de 10 anos volta à vida após 70 minutos de reanimação cardíaca

Para Lara Sousa, de 10 anos, foi como nascer de novo. Para a mãe dela, Helen, de 29, aconteceu um milagre. A menina brasiliense passou por 70 minutos de manobras de ressuscitação até conseguir voltar à vida. Em geral, não há sobreviventes após 50 minutos de reanimação cardíaca.

𝐀𝐧𝐭𝐞𝐬 𝐝𝐞 𝐝𝐞𝐢𝐱𝐚𝐫 𝐬𝐮𝐚 𝐎𝐏𝐈𝐍𝐈𝐀̃𝐎 𝐨𝐮 𝐂𝐑𝐈́𝐓𝐈𝐂𝐀, 𝐟𝐚𝐜̧𝐚 𝐬𝐞𝐮 𝐏𝐈𝐗, 𝐜𝐨𝐦 𝐨 𝐯𝐚𝐥𝐨𝐫 𝐪𝐮𝐞 𝐩𝐮𝐝𝐞𝐫, 𝐞 𝐚𝐩𝐨𝐢𝐞 𝐨 𝐉𝐊𝐍𝐎𝐓𝐈𝐂𝐈𝐀𝐒.𝐂𝐎𝐌 𝐚 𝐜𝐨𝐧𝐭𝐢𝐧𝐮𝐚𝐫 𝐭𝐞 𝐝𝐞𝐢𝐱𝐚𝐧𝐝𝐨 𝐢𝐧𝐟𝐨𝐫𝐦𝐚𝐝𝐨. 𝐅𝐚𝐜̧𝐚 𝐮𝐦𝐚 𝐃𝐨𝐚𝐜̧𝐚̃𝐨 𝐩𝐞𝐥𝐚 𝐂𝐇𝐀𝐕𝐄 𝐏𝐈𝐗: 𝟐𝟖.𝟏𝟓𝟏.𝟐𝟗𝟕/𝟎𝟎𝟎𝟏-𝟎𝟓 𝐑𝐀𝐙𝐀̃𝐎 𝐒𝐎𝐂𝐈𝐀𝐋: 𝐌𝐈𝐃𝐀𝐒 𝐏𝐔𝐁𝐋𝐈𝐂𝐈𝐃𝐀𝐃𝐄 𝐄 𝐌𝐀𝐑𝐊𝐄𝐓𝐈𝐍𝐆

Lara, que nunca havia apresentado nenhum sintoma de problemas cardíacos, teve um infarto enquanto brincava em uma piscina, em Planaltina, no Distrito Federal, no dia 9 de junho. Quando o coração da garotinha parou, ela começou a se afogar.

“Minha filha estava brincando com a irmã dela na piscina, no aniversário de uma amiga. Estávamos perto, e ela sempre nadou bem. De repente, ouvi um grito desesperado da Clara (irmã). Quando tiraram a Lara da piscina, ela estava com a pele roxa, os dentes travados e os olhos arregalados. Nunca vou esquecer a angústia de vê-la assim”, lembra a dona de casa Helen Ketlen Sousa.

70 minutos de ressuscitação

Uma técnica de enfermagem que estava na festa começou a fazer a ressuscitação cardiopulmonar (RCP) em Lara, mas a menina estava com a mandíbula travada e era impossível tirar a água de dentro dela.

As pessoas presentes na comemoração levaram a criança para um batalhão do Corpo de Bombeiros próximo, mas os profissionais da coorporação também não conseguiram reanimar a criança.

Em seguida, Lara foi para o Hospital de Planaltina, e lá os médicos seguiram nas manobras necessárias para que ela retomasse os batimentos cardíacos. Ao todo, foram 70 minutos para que ela voltasse. Assim que o coração da criança voltou a bater, ela foi transferida em uma ambulância, que partiu a toda velocidade para o Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF). No banco da frente, ao lado do motorista, a mãe acompanhava tudo.

“Nem me lembro direito o que passava na minha cabeça. Estava tão angustiada com aquilo. A imagem dela daquele jeito, tão perto de morrer, não sai da minha cabeça nem por um dia. Não consigo processar até agora tudo aquilo que aconteceu”, resume a mãe.

Quando a menina chegou ao HBDF, foi colocada imediatamente no desfibrilador. “Foi emocionante ver a reação do coração após quase termos perdido a esperança”, conta o médico Edvagner Carvalho, cardiologista especialista em estimulação cardíaca do HBDF, um dos responsáveis pelo atendimento de Lara.

O passo seguinte foi retirar a água dos pulmões da garotinha com drenos. A criança ficou intubada por cinco dias – período em que os médicos não faziam ideia exata de qual seria a extensão dos danos ocasionados pela parada cardíaca.

Após alguns exames, os médicos descobriram que ela tinha uma arritmia cardíaca que nunca havia sido diagnosticada. Pessoas com essa condição têm um problema no funcionamento do coração que aumenta o risco de paradas cardíacas. A arritmia, em geral, é causada por algum problema na estrutura do músculo cardíaco, mas os médicos ainda não sabem exatamente qual é o de Lara.

Lara passou por cirurgia inédita no DF

Apesar do prognóstico ruim, Lara sobreviveu quase sem sequelas e conseguiu ter alta hospitalar nesta quinta-feira (4/7). Após quase um mês de internação no HBDF, a menina voltou para casa.

Antes, no entanto, precisou passar por uma cirurgia inédita. Ela foi a primeira criança brasilense a receber um cardiodesfibrilador implantável (CDI) na rede pública do DF. O equipamento funciona de forma parecida ao marcapasso, que ajuda pessoas com batimento cardíaco lento a ter uma frequência mais rápida e mais constante.

Só que o cardiodesfibrilador implantável (CDI) não atua em tempo integral. Ele é um pequeno dispositivo implantado dentro do coração de pessoas que já tiveram infartos. Ao detectar uma arritmia, o desfibrilador aplica um choque dentro da intensidade adequada para trazer o ritmo cardíaco de volta ao normal.

Apesar do tratamento ter funcionado bem, a vida nova de Lara será cercada de cuidados. A menina deverá tomar medicamentos para o resto da vida e precisará evitar esforços intensos.

“Ela ainda está muito assustada. Tem medo que as pessoas a toquem e tem estudado muito sobre seu tratamento. Até nos acostumarmos a essa vida nova, cada momento será um aprendizado”, conclui Helen.

METRÓPOLES

Faça sua denúncia, envie através de nosso WhatsApp, Fotos, Vídeos. Seus dados pessoais estarão protegidos, nos termos da Lei 13.460/2017. +55 66 99982-8122.

Postagens Relacionadas